domingo, 18 de setembro de 2011

Quando a luz dos olhos teus

"Quem conhece verdadeiramente o mundo, precisamente há de chorar; e quem ri ou não chora, não o conhece. Que é este mundo, senão um mapa universal de misérias, de trabalhos, de perigos, de desgraças, de mortes? E a vista de um teatro imenso, tão trágico, tão funesto, tão lamentável, aonde cada reino, cada cidade e cada casa continuamente mudam a cena, aonde cada sol que nasce é um cometa, cada dia que passa, um estrago, cada hora e cada instante mil infortúnios; que homem haverá (se caso é homem) que não chora?" ( Lágrimas de Heráclito)

Pois digo que aquele que vê o mundo pelo olhar de quem ama, chora, por entre risos de poder sentir seu coração bater ainda que seja num mundo desgostoso, e sente ainda a esperança de poder um dia gostar desse mundo como gosta daquele a quem pertence os redondos espelhos que o reflete.

Nenhum comentário:

Postar um comentário