sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Bagagem

Com a poesia nas costas,
Sigo por novas rotas
Sem pensar em tristezas próximas
Sonhando com a felicidade próspera,

Com a poesia nas costas,
As rimas viram escudo
O que era pra ser, eu já mudo
Desenho um novo começo,

Com a poesia nas costas
Já não temo tropeços
O que passou não me esqueço
Transformo em versos rimados,

Com a poesia nas costas,
Estrofes de aprendizados
Levo um peito cicatrizado
Das dores que da vida tenho herdado,

Com a poesia nas costas,
Com as cicatrizes do peito,
Pelos caminhos e rotas,
Sigo rimando do meu jeito,
Sigo amando sem medo,
Sigo morrendo aos poucos,
Sigo um bando de loucos,
Sigo sonhando acordada,
Sigo feliz, e mais nada.