quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Proposta nº 365

365 dias se vão, e 365 dias se aproximam.
O fim não é nada mais do que a esperança de um novo começo.
Depositamos os erros na caixa do passado, e emolduramos os acertos na parede do futuro.
Mas, olho novamente, que grande bobagem é tudo isto! Que grande tolice, que miséria!
Pois este novo começo proponho uma mudança:
1- Mantemos a esperança no que vêm pela frente. Mais 365 dias para viver, e só de ser assim já deverá ser emocionante!
2-Deixo na caixinha os meus acertos, eles não serão úteis nos próximos dias, apenas servem para contemplação e exibição do que, mesmo no passado, foi feito.
3- Enquadro meus erro de ontem, eles sim tenho que ver todos os dias, e quem sabe consigo fazer diferente neste novo começo? Ah a esperança! Em mim continua viva, mesmo depois de morrer a crença nos próprios sentimentos!
Faço aqui minha proposta, de quem sabe viver 365 dias e nos próximos 365 ter novos acertos para pôr na caixinha.

Reticências

E naquele dia senti que minha alma nele morreu.
Foi como perder o chão, as paredes, o teto, e toda a estrutura que me protegia.
Em mim choveu, fez sol, ventou, e ali estava sem abrigo...
Morri em tua alma, a poesia se foi junto comigo.
Só que ainda te protejo,
Ainda vive em mim... como um grande amor.
Protejo-te de longe,
Me alegro com teu sorriso,
Me entristeço com suas lágrimas,
Me entusiasmo por ver-te viver.. uma vida que eu não conseguiria te dar estando por perto.
Deixo as complicações comigo, quero para você a mais simples das felicidades.
E assim me despeço da tristeza e da saudade de não tê-lo aqui.
E me faço feliz por ainda poder olhar-te de longe e contemplar sua felicidade.

Pílula

É como se...
você escolhesse um caminho
e nele eu não estou nem de passagem.