terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Eu voltei, mas não se bem se é pra ficar

Hoje é terça, então amanhã eu posto na quarta feira da treta os assuntos maternos de hoje. E não adianta me censurar que quem manda nisso aqui sou eu.PORRA
Desculpa aí o modo de escrever (pq to falando bosta aqui, tá um silêncio tão gigante que a minha respiração está fazendo eco) é que acabei de sair de uma sala de cinema, vi Tropa de Elite, mas vou deixar os comentários sobre o filme com críticos ou com quem faz blog pra chamar atenção de gente que não consegue fazer ou usar uma coisa antes de saber a opinião de quem usou e criou um blog cor-de-rosa pra encher de elogios sobre algo e tentar assim ficar famoso ou ganhar alguma coisa grátis. Eu vou falar mesmo é de filmes em geral. Minha paixão suprema, eu casei com o cinema e com a política a partir de hoje, beijei na boca da política sutilmente, como uma menina de 14 anos faz com a coleguinha quando quer treinar o beijo antes de enfrentar os meninos, foda (ou não) é quando preferem o treino, e então fui possuida pelo cinema da forma mais voraz e poética já vista, afinal ele tem muita experiência com um currículo de cenas de sexo da mais apaixonada a mais carnal imaginável.
E como hoje minha alma não está afim de jorrar meus pensamentos internos sobre a política, vou me abrir falando do meu cinema....
Ah meu cinema, fala ai se você nunca saiu de uma sala de cinema modificado, o filme termina você suspira e passam-se mil idéias na sua cabeça...
Se for um filme de açã, seu desejo é pegar uma arma e sair vitorioso depois de enfrentar os homens mais bem treinados do mundo, se for de romance a solteiras se desesperam por querer um namorado, os casais se olham a menina sorri como se dissesse "nós somos esse filme" e o menino a beija antes que ela pegue esse pensamento e transforme em palavras, se for de animais, logo queremos adotar um cãozinho e chama-lo com o nome do filme, se for de comédia idealizamos uma aventura bem louca pra fazer com amigos, se for de terror, bom você vê fantasma em tudo que é canto. Mesmo que o filme seja ruim nós sentimos algo, e esse sentir é que faz do filme uma parte de nosso lazer tão emocionante.
Hoje não vou revoltar, vou suspirar de alegria, e quem sabe ver mais um viciante filme antes de dormir.
Depois falo da política e apresento be cochichado meu amante: o livro, afinal, a felicidade não está numa coisa só ;P

2 comentários: