segunda-feira, 26 de julho de 2010

Aaah.. nada como ar puro, sombra, água fresca e uns mugidos de vaquinhas meigas para revitalizar toda a energia que a urbanização rouba de você.
É nesses lugares que devemos esquecer dos problemas, ou quem abe tentar entendê-los, ou respondê-los se for possivel.
É em lugares assim que mia risada fica mais verdadeira, que a amizade se enlaça e resolve não desgrudar mais.
E agora basta fechar os olhos e tentar lembrar como tudo pode ser mais simples e feliz.
Hora de mudar, não acha? Poisé, há muita coisa a se fazer.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Ao Desapego!

Peguei a minha taça e bati com uma colher, retirei as minhas luvas de seda e disse: ao ato de não se apegar, a libertação da alma e da mente! E todos os senhores e senhoras a minha volta bateram palmas de maneira educada e voltamos ao nosso jantar.

Não, não é bem assim: na verdade eu cheguei no balcão e falei: TEQUILAAA CARAI. Peguei a tequila, olhei para o horizonte me deparando com uma geladeira de cerveja Skol e disse, AO DESAPEGO! Lambi o sal, virei a danada e chupei o limão com toda a ferocidade que consegui. Depois disso voltei a dançar loucamente até o chão.
Sim, ao desapego, ao desapego de tudo, ao desapego de tentar ser alguém que na verdade você não é. Ao desapego de tentar acreditar naquilo que você não entende. Se você deseja ser burro está na hora de queimar os livros! Ao desapego de poder falar merda onde quer que eu ache necessário. Ao desapego de ter que aceitar pessoas escrotas por perto.
O desapego é poético, é libertador. É maravilhoso! Maravilhoso!
Bata palmas, grite, urre, tire a camisa e grite Timão ÊOOO sem medo te chamarem de marginal.
Use as roupas do verão passado e não tema tirarem fotos suas e te julgarem mal vestida!
Tenha namorado, não tenha namorado, tenha até mais de um namorado, faça uma suruba, seja gay.
Desapegue-se das regrinhas sociais, centrais, estúpidas que você pensa que deve seguir.
Não siga! Não seja seguido! Não fique parado! Corra e cante Restart se assim vc acha que será feliz.

Fale de política, não fale dela, finja que isso não existe, lute por um país melhor. Mas Faça aquilo que VOCÊ queira.
Não a Pagação!
Não a Pagação!
Levante a sua tequila, encha os pulmões e fale, Ao desapego.

Desapegue-se do mundo e seus achômetros, apegue-se a você e sua opinião!

domingo, 18 de julho de 2010

Sem Bermudas por Hoje

Ok, parei com esse amorzinho ridículo. Já está bom de depois de cagadas em uma noite ter que parar e ver que choro ainda por você, melhor dizendo, somente por você. É triste e revoltante a sua falta de carinho, e é mais triste ainda eu não me revoltar tanto quanto devia por isso. Eu não devia nem te olhar, muito menos te beijar quando você me pede por isso.
Eu fiquei bêbada, eu falei tudo o que eu devia.
Você virou as costas e foi embora.

Não quero mais bermuda azul marinho. Tem uma calça de couro que realmente serve em mim.

Por ele não é preciso chorar.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Enfim, acabou a copa e levou junto o primeiro semestre da tão sonhada faculdade.
E eu aqui, com tanta coisa pra dizer, mas sem saber como falar.
E agora José?